Ao utilizar este website está a concondar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte a nossa política de privacidade e uso de cookies, onde poderá desactivar os mesmos.

OK

Um alerta eletrónico automático nos ecrãs de computador dos especialistas em Medicina Geral e Familiar (MGF) pode ajudar a prevenir a prescrição excessiva de broncodilatadores de curta ação para a asma, de acordo com um estudo apresentado no ERS Congress.

O alerta aparece quando os especialistas em MGF abrem os registos médicos de um doente que recebeu três prescrições de broncodilatadores de curta ação, como o salbutamol, num período de três meses. Este sugere que o doente deve ser consultado para avaliar os sintomas e melhorar o controlo da asma.

“O uso excessivo de inaladores de alívio como o salbutamol é um indicador de asma mal controlada e um fator de risco para crises de asma. Também foi implicado em mortes relacionadas à asma. No entanto, apesar das guidelines nacionais e internacionais para o tratamento da asma, a prescrição excessiva de beta2-agonistas de curta ação (SABA) persiste”, indicou a Dra. Shauna McKibben, honorary research fellow no Institute of Population Health Sciences Queen Mary University of London, Reino Unido, e enfermeira clínica especialista em asma e alergia do Imperial College Healthcare NHS Trust, Londres, que liderou a investigação. “O objetivo foi identificar e direcionar a prescrição de SABA excessivos, utilizando um alerta eletrónico nos sistemas de computador dos especialistas em MGF para identificar doentes em risco, mudar o comportamento de prescrição e melhorar a gestão da asma”.

O estudo de 18.244 doentes com asma em 132 clínicas de MGF no nordeste de Londres detetou uma redução de 6% na prescrição excessiva de inaladores de alívio nos 12 meses após o alerta que apareceu pela primeira vez nos registos dos doentes. Além disso, três meses após o alerta as revisões dos doentes com asma aumentaram 12%, e seis meses após o alerta a prescrição repetida de SABA reduziu em 5% e as exacerbações da asma que requerem tratamento com esteroides orais diminuiu 8%.

“A descoberta mais importante é a pequena mas potencialmente significativa redução na prescrição de SABA nos 12 meses após o alerta. Isso, combinado com os outros resultados, sugere que o alerta solicita uma revisão dos doentes que podem ter um controlo insuficiente da asma. Uma consulta de revisão da asma facilita a avaliação do uso de SABA e é uma oportunidade importante para melhorar a gestão da asma”.

A especialista questionou uma amostra de especialistas em MGF, rececionistas e enfermeiras sobre o alerta. “Este foi visto como um catalisador para a revisão da asma; no entanto, o fornecimento de uma revisão oportuna foi um desafio e a resposta ao alerta dependia dos recursos da prática local e das prioridades clínicas.” E acrescentou: “Uma limitação da pesquisa foi o facto de o alerta pressupor que apenas um inalador SABA foi emitido por prescrição, quando muitas vezes podem ser emitidos dois de cada vez. “Portanto, a prescrição excessiva de SABA e a redução subsequente na prescrição após o alerta podem ser subestimadas”.

COVID-19 COVID-19

Acompanhe as nossas novidades.
Subscreva a Newsletter SPP

subscrever Newsletter

SOCIEDADE PORTUGUESA DE PNEUMOLOGIA | SEDE

 

geral@sppneumologia.pt

 

T. (+351) 217 962 074

F. (+351) 217 962 075

 

Rua Ivone Silva, 6 (Edifício ARCIS), 6º Esquerdo

1069-130 Lisboa

 

Horário de Funcionamento:
- Segunda a Sexta-feira
- 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h30

VER NO MAPA

DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO

 

comunicacao@sppneumologia.pt
 

T. (+351) 926 432 143 
Cátia Jorge
 

T. (+351) 917 434 115
Andreia Pinto

com o apoio de:

Grupo Medinfar
Takeda
Bial
PULMONOLOGY